Terça-feira, 19 de junho de 2018 - R.C. de Curitiba Oeste - Distrito 4730 - © 2013
   | | | | |
 
   
Rotary Club de Curitiba Oeste Rotary Club de Curitiba Oeste

Rotary Club de Curitiba Oeste Tudo sobre Rotary Rotary Club de Curitiba Oeste Notícia do Curitiba Oeste Rotary Club de Curitiba Oeste Notícias e Informações

 

Pritaneu Para o Mesário Mais Antigo

31/10/2006

O Rotary Club de Curitiba Oeste promoveu no último dia 31 o Programa PRITANEU. Durante o evento, que contou com a presença de diversas autoridades, foi homenageado o Sr. José Carlos de Mello Rocha, mesário mais antigo do Brasil.

A reunião festiva aconteceu dia 31 de outubro de 2006, às 12:00 horas na FUR - Fundação da Unidade Rotária, sita à Rua Coronel Adyr Guimarães Nº. 288 – Ahú, em Curitiba.

Ao homenagear o Sr. José Carlos pelo trabalho voluntário que aos 75 anos continua prestando, quando grande número de jovens brasileiros procura desculpas para driblar a justiça eleitoral fugindo de seu dever cívico, o Rotary Club de Curitiba Oeste acredita ter incentivado boa parte das novas gerações a mudarem seu equivocado enfoque sobre cidadania.

Conheça um pouco mais do homenageado através da transcrição abaixo da entrevista que o mesmo concedeu ao jornal O Globo para a jornalista Dani Blaschkauer:

Aos 77 anos, mesário mais antigo do país vai como voluntário para outra eleição José Carlos Mello Rocha trabalha para a Justiça Eleitoral desde 1945. O pior, segundo ele, é suportar o barulhinho das urnas eletrônicas.

Para ele, nada disso importa. Dentro do universo de 1,6 milhão de brasileiros que trabalharão para a Justiça Eleitoral nas eleições deste ano, José Carlos Mello Rocha, 77 anos, é o mais antigo mesário do país, segundo o Tribunal Superior Eleitoral (TSE). Desde 1945, presta esse serviço voluntariamente.

Em mais de 60 anos como mesário, ele só não se acostumou totalmente com a campainha da urna eletrônica.

"Minha Nossa Senhora... Eu volto para casa ouvindo (a campainha) por mais um dia inteiro. Ainda assim, é melhor que na época da cédula. Agora, a gente sabe quando o eleitor acaba de votar", disse Rocha ao G1, por telefone, de Curitiba (PR), onde mora.

Seu José não esconde a satisfação ao dizer que é o mesário mais antigo da Justiça Eleitoral. E dá conselhos aos novatos, que não suportam acordar cedo, ganhar no máximo um vale alimentação e ficar sem um domingo para curtir.

"O que digo para os jovens é que eles são os futuros políticos e este trabalho já é um sinal do que podem vir a ser no futuro, de que podem ser bons para o país", afirma.

O começo

Em 1945, ele datilografava as primeiras fichas de eleitor. "Naquela época, em Jaguariaíva (cerca de 230 km ao norte de Curitiba), eu era um garotão que ajudava o meu pai no cartório, fazendo o alistamento dos eleitores", afirmou Rocha.

Desde 1961, porém, deixou a pequena cidade do interior paranaense e passou a trabalhar efetivamente em mesas eleitorais em Curitiba - só teve folga (obrigatória pela lei eleitoral) quando um parente de primeiro grau estava se candidatando a um cargo eletivo. "Por motivo de saúde, acho que só não fui em uma", disse.

Nascido em 1 de maio de 1931, seu José não quer saber de parar. Aposentado desde 1986, ele já está superando um AVC (acidente vascular cerebral) sofrido há um ano e meio e também a morte da mulher no último dia de 2007 após 54 anos de casamento.

"Ela sempre me deu apoio", revela. E o apoio o transporta para poder chegar bem no trabalho no próximo 5 de outubro e ter, quem sabe, mais histórias. Afinal, com tanto tempo na função, história não poderia faltar. A predileta?

Sophia Loren

Rocha não lembra exatamente em qual eleição ocorreu, mas ele não esquece do fato que fez parar o colégio onde trabalhava na ocasião.

"Faz uns 15 ou 20 anos, nós vimos que na lista de eleitores havia uma Sophia Loren. Claro que a gente sabia que não era a famosa atriz, mas todos queríamos saber quem era a mulher com o nome da atriz", disse.

Rocha conta que, a cada pessoa que chegava, funcionários das 25 seções do colégio corriam para saber se a eleitora seria a famosa. "Eu sei que acabou o horário de votar e ela não apareceu."

Mas o sonho de conhecer a homônima não terminou. Na eleição seguinte, novamente o desejo de ver Sophia Loren. Tanto que deixava temporariamente a a seção para checar se a mulher de nome conhecido iria, enfim, aparecer.

"Novamente fiquei todo o tempo olhando para descobrir quem seria ela, mas ela nunca apareceu" contou ele, rindo.

Urnas eletrônicas

E foi rindo também que Rocha superou "facilmente" as mudanças no sistema de votação. O paranaense contou que a chegada da urna eletrônica foi uma fase de transição tranqüila.

"Nossa, foi muito fácil mesmo. Eu peguei as urnas de madeira. Antes, era mais difícil de trabalhar e também fazer a contagem dos votos", disse.

Ele já pensa em deixar o legado para o sobrinho-bisneto, Alisson, que estará em ação nas próximas eleições. "Mas eu vou até quando a minha saúde deixar", declarou.

  Voltar
Leia mais [+]
Leia mais [+]
Leia mais [+]
Leia mais [+]
Leia mais [+]
Leia mais [+]
Leia mais [+]
Leia mais [+]
[+] Lista Completa de Notícias
"Ausente a Cultura, prevalece a força da ignorância." João Darcy Ruggeri